Propostas de Comunicação | Call for Papers

Propostas de Comunicação

Militar e académico de formação científica, Sidónio Pais morreu a 14 de dezembro de 1918, assassinado em Lisboa. Com uma carreira política republicana em que ocuparia sucessivamente os cargos de deputado, senador, ministro e embaixador, regressaria a Portugal quando já se adivinhava a Primeira Guerra Mundial. Seria colocado no poder pela conspiração que instaurou a “República Nova” (1917-18), chefiando uma confederação de republicanos descontentes, monárquicos, clericais e antiguerristas. Legitimou a presidência com recurso a eleições, exercendo um poder misto de autoritarismo e de populismo. O seu homicídio deixou o país em grande instabilidade política, económica e social, quando recuperava do rude golpe do influenza A, a infame “gripe” do século XX que matou pelo menos 40 milhões de pessoas, e aguardava o regresso dos soldados, traumatizados, mutilados e mortos portugueses nos campos da Flandes, Angola e Moçambique.

Nos Açores, 1918 foi marcado pela guerra no mar, Gripe Espanhola; o Azores Detachment of the U.S. Atlantic Fleet e o Alto-comissário da República, General Simas Machado, enviado pelo Presidente da República para tutelar as áreas civis, militares e diplomáticas no arquipélago. A esse cenário juntou-se a guerra no mar, caso do Augusto de Castilho; cabos submarinos, e a comunicação do Armistício à América do Norte; um Depósito de Concentrados Alemães na ilha terceira e uma profunda crise de importações e exportações, mão-de-obra e muita miséria social, promovida em muitos casos pela ação de açambarcadores.

Este encontro visa analisar o último ano da I Guerra Mundial, com particular ênfase nos Açores na sua relação com o Atlântico, beligerância, crise económica, comunicações e portos atlânticos, a que se junta a política nacional e internacional seja pelo Sidonismo, presença americana ou passagem de Franklin Delano Roosevelt pelo arquipélago. Da mesma forma, 1918 também marca um ano de profunda reflexão do ponto de vista higiénico-sanitário, sendo mesmo um ponto de partida para o estudo de traumas de guerra ou ciências morfo-funcionais/engenharia biomédica, a que se poderá aliar a relevância para o ativismo feminino, com ecos nos Açores.

A comissão organizadora apela ao envio de propostas que abordem, mas não se limitem, às seguintes temáticas:

  • A dimensão marítima, aérea e terrestre do envolvimento dos Açores na I Guerra Mundial;
  • A guerra naval e submarina;
  • O Atlântico e as telecomunicações durante a Grande Guerra;
  • As ligações marítimas na Guerra das Trincheiras, ou nas colónias;
  • O Sidonismo e o Alto-Comissário da República para os Açores;
  • Serviços de Saúde, condições de salubridade e a Gripe espanhola;
  • O Armistício e o regresso à normalidade;
  • A Emancipação feminina.

 

Envio de propostas: 7 de maio a 17 de julho de 2018

Processo de Submissão: Por favor envie a sua identificação (nome, filiação institucional e endereço de email), o título da comunicação, local de preferência (Horta/Ponta Delgada), resumo (máximo 700 palavras) e cv (1 página) para o seguinte correio eletrónico: azoreswar@gmail.com

Línguas de trabalho: Português e Inglês (não haverá interpretação simultânea)

 

______________________________________________________

Call for Papers

Sidónio Pais died on December 14, 1918, murdered in Lisbon. As a republican, he would successively occupy the positions of deputy, senator, minister and ambassador, returning to Portugal when the First World War was already predicted. In power by the conspiracy that established the “New Republic” (1917-18), he would lead a confederation of disgruntled republicans, monarchists, clericals and anti-war forces, and legitimize the presidency by elections, exercising a mixed power of authoritarianism and populism. His homicide left the country in great political, economic and social instability, aggravated by the Spanish flu, the Influenza A virus.

In the Azores, the year of 1918 was marked by the war in the sea; the Spanish Flu; the Azores Detachment of the U.S. Atlantic Fleet and the High Commissar of the Republic, General Simas Machado, was sent by the President of the Republic to control the civil, military and diplomatic areas in the archipelago. To this scenario were added the war in the sea, the TSF and submarine cables and the communication of the Armistice to North America; a German POW in Terceira island and a deep trade crisis, with big social misery, promoted in many cases by the action of hoarders.

This meeting aims to analyze the last year of World War I, with particular emphasis on the Azores in its relationship with the Atlantic, belligerence, economic crisis, communications and Atlantic ports, and international affairs with Sidonism and Franklin Delano Roosevelt. Likewise, 1918 also marks a year of profound reflection about the hygienic-sanitary conditions, and is even a starting point for the study of war traumas or morpho-functional sciences / biomedical engineering, to which we can ally the relevance of the female activism, with some echoes in the Azores.

The organizing committee calls for proposals that address, but are not limited to, the following themes:

  • The maritime and terrestrial dimension of the involvement of the Azores in World War I;
  • The naval and submarine war;
  • The Atlantic and telecommunications during the Great War;
  • The maritime connections in the Trenches War, or in the colonies;
  • The Sidonism and the High Commissioner of the Republic for the Azores;
  • Health services, health conditions and the Spanish Flu;
  • The Armistice and the return to normality;
  • Women’s Emancipation.

 

Submission: May, 7th to July, 17th, 2018

Submission process: Please send your identification (name, institutional affiliation and mail address), Paper title, place of preference (Horta/Ponta Delgada), Abstract (maximum 700 words), and academic CV (1 page) via mail to: azoreswar@gmail.com

Working languages: English, Portuguese (no simultaneous interpretation is available)

Call_Imagem

Advertisements